O jardim da residência de Claude Monet em Giverny, retratado várias vezes em suas telas, com seus famosos nenúfares beirando a abstração e sua verde ponte japonesa, foi desenhado pelo pintor impressionista como uma obra de arte.

Quando o pintor Claude Monet (1840-1926) se mudou para um sítio chamado Le Pressoir, em casa de locaçao na aldeia de Giverny, em Eure, com a sua companheira Alice Hoschedé, tiveram respectivamente dois filhos para um (a primeira mulher de Monet, Camille, morreu) e seis filhos para o outro (Alice ainda é casada). Foi tomando a pequena linha férrea que liga Gasny a Vernon e que passa em frente à horta e ao pomar da propriedade, ao longo do Chemin du Roy, que Monet se deixou seduzir, para pintá-la, pela paisagem de colinas e as margens do Sena neste canto do Norman Vexin.

Estamos em 1883, e se sua Impressão, sol nascente foi vendida – para o fotógrafo Nadar – em 1874, o pintor de 43 anos ainda não experimentou realmente o sucesso. Mandou, no entanto, ampliar o atelier, ao fundo da casa, ao declarar: “Não preciso de atelier. Meu atelie é ao ar livre. Aliás, retrabalha as suas telas dentro de casa, pintadas sobre o motivo, em busca de um acabamento inatingível, enquanto se dedica ao seu jardim, a sua outra grande obra (ama sobretudo as flores), que quer colorir o ano inteiro. “O jardim é o seu ateliê”, dirá Alice. Aí está, sua paleta! »

O antigo pressoir sem charme transformado em “maison de maître” pelo seu antigo proprietário está se tornando, graças aos acréscimos e modificações de seus novos ocupantes, uma agradável “maison des champs” – Monet adquiriria a casa em 1890, graças a um avanço de seu negociante, Paul Durand-Ruel, antes que colecionadores americanos astutos se reunissem em seus montes de feno e … enriquecessem de forma sustentável o artista impressionista. A cozinha, em particular, é objeto de todas as atenções: o dono do lugar, cujas gordurinhas revelam o apetite e o gosto pela boa comida, mandou revestir com azulejos de faiança azul e branca de Rouen, do mais belo efeito.

Transformar de novo e de novo

Destacam-se assim soberbamente a salamandra em ferro fundido preto e os imponentes tachos em cobre polido, junto à sala de jantar com as suas paredes pintadas de amarelo vivo, com as suas estampas japonesas de Utamaro, de Hokusai ou Hiroshige. A grande família “misturada” do artista e sua esposa (eles se casaram em 1892, após a morte do marido de Alice) costumam dividir a mesa com amigos muito próximos (amigos, não “convidados”). que Monet deliberadamente manteve à distância). Este círculo íntimo inclui os pintores Gustave Caillebotte e Berthe Morisot, o escritor Octave Mirbeau ou o crítico Gustave Geffroy e, claro, Georges Clemenceau, o amigo de toda a vida.

Foi o próprio Monet quem manteve o reboco rosa original para as paredes externas e escolheu o verde para as portas e venezianas. Seu quarto, localizado no andar de cima, acima da sala de estar-oficina, amplamente iluminado por três grandes janelas com vista para o jardim, é mobiliado com uma escrivaninha e uma cômoda do século XVIII. Penduradas nas paredes e à volta da cama, muitas obras dos seus amigos pintores: Renoir, Manet, Degas, Pissarro, Sisley, ou de artistas admirados: Boudin, Corot, Delacroix… (São exemplares que se podem ver actualmente na casa e o estúdio, estando os originais guardados no Musée Marmottan-Monet, em Paris, ou no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.)

Em Giverny, durante as décadas que lá viveu e onde ali pintou, até à sua morte em 1926, Monet não deixou de transformar e desenvolver os seus dois jardins: o primeiro, o Clos Norman, contíguo à casa, maioritariamente florido, e o segundo, o Jardim das Águas, localizado do outro lado da a estrada, e cujos terrenos, originalmente susceptíveis de inundação, foram adquiridos em 1893. O seu desenvolvimento não foi isento de dificuldades: foi necessário desviar o Ru, afluente do ‘Epte, a Câmara Municipal, entretanto, temendo que “exóticos plantas”… pudessem envenenar a água.

Monet gradualmente perde a visão

Antes de Clos Normand, Monet mantinha outros jardins, entre eles o de Argenteuil, onde Renoir o pintou… pintura (1873), jardinagem de Manet (La Famille Monet dans son jardin, 1874), e que ele mesmo representou, extremamente florido. As flores são essenciais para ele – menos buxo ou abetos e ciprestes, que ele substituirá em Giverny por arcos de metal nos quais subirão roseiras. As chagas rastejando no corredor central são um de seus achados de sorte. Nos canteiros e nas treliças ou estacas, as flores, cuidadosamente preparadas, sucedem-se ao longo do ano: açafrões e snowdrops, tulipas, lírios amarelos ou azuis, dálias e papoulas em cores extravagantes de outono.

O desenvolvimento do Jardim das Águas, com a escavação de uma bacia de formas sinuosas cujo desenho se repetirá várias vezes, ocupará trinta anos da vida do pintor. A emblemática ponte verde, parcialmente escondida por salgueiros-chorões e que será encimada por uma perfumada glicínia branca e lilás que se desintegra em arcos de metal, será diretamente inspirada no mundo das gravuras japonesas. Da mesma forma, plantações de bambu alto, bordo, peônia ou hortênsia ao redor do corpo d’água. Outra inovação prometida à posteridade: o arranjo de nenúfares brancos, rosa ou azuis na bacia, descoberto por Monet com admiração durante a Exposição Universal de 1889.

Monet não deixará de pintá-los desde então, até à quase abstracção dos últimos grandes formatos, realizados a partir de 1915 no novo atelier vocacionado para o efeito – grandes formatos que podem ser admirados no Musée de l’Orangerie, em Paris.

Entretanto, ainda monopolizado pela sua paixão hortícola, o pintor-jardineiro terá mandado instalar estufas climatizadas onde poderá produzir mudas e proteger das geadas as suas plantas mais frágeis. Perdendo gradualmente a visão, Monet morreu em Giverny em 5 de dezembro de 1926, aos 86 anos, de câncer de pulmão.

Sacha Guitry, que em 1915 teve o privilégio de filmá-lo por alguns instantes pintando, contou mais tarde que Clemenceau teria substituído a mortalha que cobriria o caixão por uma cortina florida… arrancada de uma janela: “Nada de preto para Monet! ele teria exclamado.

Após a morte do pintor, foi sua nora, Blanche Hoschedé-Monet, quem cuidou da propriedade até sua morte em 1947. Em 1966, a casa e o jardim, em muito mau estado, foram finalmente cedidos por Michel Monet, filho de Claude, para a Academia de Belas Artes. Em 1977, ela confiou seus projetos de gerenciamento e restauração a Gérald Van der Kemp, que foi por quase trinta anos o curador-chefe de Versalhes, que aproveitou, com o apoio de sua esposa, Florence , sua experiência.

A escolha foi relevante, e a impressionante agenda do casal fez maravilhas para atrair patrocínio, principalmente americano, e know-how para Giverny. A começar pela equipe de jardineiros, que será comandada por mais de quarenta anos pelo carinhoso jardineiro-chefe Gilbert Vahé.

Assim, até à sua abertura ao público a 3 de junho de 1980, os jardins puderam retomar o aspeto que tinham no tempo de Monet, nomeadamente graças a restauros baseados em todos os documentos e testemunhos disponíveis. Entre elas, fotografias de época, incluindo as esplêndidas e famosas autocromias dos anos 1920, descrições de parentes do pintor ou visitantes, artistas ou escritores. E sobretudo graças aos formulários de encomenda de flores ou plantas do próprio Monet, que sempre se inspiram nos jardineiros – colocados sob a autoridade do atual diretor da fundação, Hugues Gall – para compor os espetaculares canteiros do Clos Norman ou do atmosferas vegetais tão poéticas do Jardim das Águas.

Submit your review
1
2
3
4
5
Submit
     
Cancel

Create your own review

Descobrindo a Normandia
Average rating:  
 0 reviews

@descobrindoanormandia

Explore os encantos da Normandia conosco! Siga nosso Instagram @descobrindoanormandia para descobrir os segredos e maravilhas desta e de outras regiões! 🗺️✨ #DescobrindoANormandia