Festa do Champagne : Voce conhece o padroeiro São Vicente ?

Voce conhece o padroeiro da Champagne ?

Todo ano, por volta do dia 22 de janeiro, os confrades das cidades da região da Champagne ( 1h30 de Paris) se reúnem para agradecer a São Vicente pela colheita passada e pedir proteção para a próxima colheita.

O inicio do cortejo carrega o bastão de São Vicente, seguido pelo estandarte ou pela estátua do santo padroeiro dos viticultores.

Os participantes do desfile vestem trajes tradicionais: vestidos bagnolets para as senhoras e moças, blusas azuis, aventais brancos e bonés de tonel para os homens e rapazes.

Carregadores adornados com folhagens e flores, instrumentos vitícolas, um barril de vinho novo e uma pirâmide de brioches completam a cena.

Durante essa celebração, uma missa é realizada na igreja da cidade, ponto de chegada do cortejo.

Após essas solenidades, um banquete é preparado onde o famoso vinho espumante é destaque.

Quem é São Vicente?

São Vicente, este diácono e mártir de Saragoça (Espanha) do século IV é considerado o Padroeiro, protetor dos trabalhadores da vinha.

A história conta que durante o cerco de Saragoça em 542 por Childeberto e Clotário (respectivamente rei de Paris e Soissons), os atacantes decidiram, tocados pela piedade dos habitantes que faziam penitência e faziam a procissão atrás do corpo de São Vicente, negociar as relíquias de São Vicente contra o levantamento do cerco. Eles foram então depositados na abadia de Sainte-Croix-Saint-Vincent em Saint-Germain-des-Prés, perto de Poitiers.

Até então, nada explica porque São Vicente se tornou padroeiro dos viticultores. Alguns dirão que é de fato pelo seu martírio, uma ilustração perfeita deste simbolismo religioso entre o sangue e o vinho (a Eucaristia).

Segundo a lenda, ele foi torturado em uma roda de lagar (Roda de Lagar de Vinho: No contexto vinícola, especialmente em regiões de produção de vinho tradicional, a “roda de lagar” pode se referir a um dispositivo usado para esmagar as uvas. Em algumas vinícolas antigas, as uvas eram colocadas sob uma grande roda de pedra que era pisoteada por trabalhadores ou animais. O suco resultante, ou mosto, era então coletado para iniciar o processo de fermentação. ).

Também associamos facilmente a lenda ao próprio nome de Vicente : o vinho designa o fruto da videira e o centavo designa o sangue.

Por fim, saiba que a sua festa cai no dia 22 de janeiro, época em que geralmente se inicia a poda das vinhas, marcando assim o fim do seu descanso invernal: “Bom São Vicente, homem poderoso, faz subir a seiva ao ramo. ”

Tradição e Historia da festa do Champagne

Antigamente, escreveu Émile Moreau, a festa de São Vicente era precedida, na véspera, por toques de sinos, fogueiras, salvas de canhão, tiros de jovens com espingardas, desfiles acompanhados por tocadores de violino e, é claro, degustação do vinho novo.

Eis o que é hoje o programa típico da Festa de São Vicente, que a confraria geralmente organiza no dia 22 de janeiro, dia do santo, mas às vezes no sábado ou domingo que o antecede ou o segue, por questões de conveniência.

É uma festa invernal, mas apesar do frio muitas vezes intenso, a confraria marcha em procissão até a igreja.

O desfile é aberto por uma banda, precedendo o bastão de São Vicente, eventualmente acompanhado de estandartes e a imagem do santo.

Em seguida, vêm crianças e adolescentes vestidos com trajes antigos, com bagnolet para as jovens e meninas, seguidos pelos confrades e algumas personalidades que tiveram o prazer de convidar, geralmente representantes de profissões, da administração e da hierarquia católica.

No desfile, participam jovens, às vezes adultos, de blusa azul, avental branco e boné de tonel, carregando em dois suportes decorados com flores, folhagens, instrumentos vitícolas, o barril de vinho novo que será oferecido ao padre como vinho para a missa e a pirâmide de brioches que, após serem abençoados, serão cortados e distribuídos aos assistentes durante a cerimônia.

Saint Vincent - Avenida da Champagne

Lê-se no “Vigneron champenois” de 31 de janeiro de 1872 que em Verzenay é costume reservar um pedaço do bolo, chamado “croûton”, que é colocado em evidência no meio da igreja, e aqueles que pretendem oferecer o bolo no ano seguinte vão buscá-lo.

As brioches quase em todos os lugares substituíram o bolo; quando não são oferecidas por um confrade, ficam a cargo da confraria.

O ponto de partida do desfile pode ser a casa do confrade que guardou durante o ano o bastão de São Vicente ou que detém o croûton, ou, nas localidades que não possuem esses costumes, a prefeitura ou a sala de festas.

O desfile faz uma parada na igreja para celebrar a missa; após um sermão apropriado e a bênção do vinho novo e das brioches, geralmente o presidente da confraria retira com uma pipeta o vinho do barril e o despeja no cálice.

Em seguida, vai-se para a sala de festas, onde o presidente e um dos convidados fazem um balanço da situação vitícola e do mercado de champanhe para os membros da confraria e suas famílias, depois procedem à entrega de diplomas aos vencedores dos concursos profissionais vitícolas.

As garrafas de champanhe que enfeitam as mesas são abertas. Distribuem-se o restante das brioches e, em algumas comunidades, o buquê que as ornamentava quando estavam no suporte é leiloado para beneficiar a confraria.

O dia termina com banquete, bailes e várias festividades.

O champanhe flui abundantemente e são comparados os méritos das diferentes garrafas fornecidas pelos participantes.

Antigamente, em algumas comunidades, especialmente em Aube, na véspera de São Vicente, jovens mascarados, ou com a cabeça coberta de cor vermelha, iam de porta em porta, acompanhando um deles vestido de velho de barba longa, o Velho de São Vicente ou São Baco, carregando uma cesta e empurrando um carrinho carregado de um barril.

Dessa forma, eles pediam vinho e mantimentos destinados ao banquete de São Vicente.

Festa anual Epernay Champagne

Os momentos finais da festa são embalados por músicas alegres, bailes animados e uma atmosfera vibrante de celebração.

A Festa de São Vicente na Champagne não é apenas uma homenagem à tradição vitivinícola, mas também um testemunho da rica herança cultural e do espírito comunitário que define essa região única.

À medida que as luzes se apagam e o último brinde é feito, fica a lembrança de mais uma celebração memorável, onde a alegria, a amizade e a paixão pelo champanhe uniram corações em uma festa verdadeiramente inesquecível.

Que a bênção de São Vicente continue a iluminar os vinhedos da Champagne por muitos anos, enchendo as taças com a alegria contagiante desta festa extraordinária.